quarta-feira, agosto 25, 2004

o demônio da Teoria - Literatura e senso comum de Antoine Compagnon

Extrato de : O Demônio da Teoria - Literatura e senso comum . Ed. UFMG, Trad. Cleonice Paes Barreto Mourão, Consuelo Fortes Santiago.

________________________________________________________________

INTRODUÇÃO
página
O Que Restou de Nossos Amores
11
Teoria e senso comum
15
Teoria e prática da literatura
19
Teoria, crítica, história
21
Teoria ou teorias
23
Teoria da literatura ou teoria literária
24
A literatura reduzida a seus elementos
25
Capítulo I - A LITERATURA
29
A Extensão da literatura
31
Compreensão da literatura: a função
35
Compreensão da literatura: a forma do conteúdo
38
Compreensão da literatura: a forma da expressão
39
Literariedade ou preconceito
42

Literatura é literatura

45
CAPITULO II - O AUTOR
47
A tese da morte do autor
49
Voluntas e actio
53
Alegoria e filologia
56
Filologia e hermenêutica
59
Intenção e consciência
65
O método das passagens paralelas
68
Straigh from tbe borse's mouth
71
Intenção ou coerência
75
Os dois argumentos contra a intenção
79
Retorno à intenção
84
Sentido não é significação
85
Intenção não é premeditação
90
A presunção de intencionalidade
93

CAPÍTULO III - O MUNDO

97
Contra a mimesis
99
A mimesis desnaturalizada
102
O realismo: reflexo ou convenção
106
Ilusão referencial e intertextualidade
109
Os termos da discussão
114
Crítica da tese antimimética
115
O arbitrário da língua
122
A mimesis como reconhecimento
127
Os mundos ficcionais
133
O mundo dos livros
137
CAPÍTULO IV - O LEITOR
139
A leitura fora do jogo
139
A resistência do leitor
143
Recepção e influência
146
O leitor implícito
147
A obra aberta
153
O horizonte de expectativa (Fantasma)
156
O gênero como modelo de leitura
157
A leitura sem amarras
159
Depois do leitor
163
CAPITULO V - O ESTILO
165
O estilo e todos os seus humores
166
Língua, estilo, escritura
173
Clamor contra o estilo
176
Norma, desvio, contexto
180
O estilo como pensamento
184
O retorno do estilo
187
Estilo e exemplificação
189
Norma ou agregado
192
CAPITULO VI - A HISTÓRIA
195
História literária e história da literatura
198
História literária e crítica literária
201
História das idéias, história social
204
A evolução literária
207
O horizonte de expectativa
209
A filologia disfarçada
214
História ou literatura?
218
A história como literatura
222
CAPÍTULO VII - O VALOR
225
Na sua maioria, os poemas são ruins, mas são poemas
227
A ilusão estética
231
O que é um clássico?
234
Da tradição nacional em literatura
239
Salvar o clássico
242
Última defesa do objetivismo
247
Valor e posteridade
250
Por um relativismo moderado
253
CONCLUSÃO
A Aventura Teórica
257
Teoria ou Ficção
258
Teoria e "bathmologia"
259
Teoria e perplexidade
261








3 comentários:

arlete gomes disse...

Gostaria de saber que demônio é esse que Compagnon tanto fala? será que é a teoria de WellecK e Austin? Li o texto mas não entendi muito bem o que o estudo da Literatura Comparada tem a ver com a Teoria Literária?

Midiã Ellen White disse...

Olá!!!!
Vc tem esse livro?
Será que vc poderia postar os capítulos: O mundo e O leitor???

Obrigada!!

Anônimo disse...

A teoria da Literatura seria a cura o seu próprio mal, seria uma metaliteratura.